I made this widget at MyFlashFetish.com.

domingo

Jornalismo Globalizado de Mau Gosto


Quem assiste o noticiário internacional concorda com tudo isto.

Assinado apenas por "Paulo Cesar", encontrei o texto abaixo na caixa de comentários do excelente blog http://www.rsurgente.net Diz o comentarista tratar-se de uma adaptação de um texto em francês, de autoria desconhecida. Pela sua pertinência, resolvi reproduzi-lo aqui..Doze Regras de Redação da Grande Mídia Internacional Quando a Notícia é do Oriente Médio.
Regra Um - No Oriente Médio, são sempre os Árabes que atacam primeiro e sempre Israel que se defende. Esta defesa chama-se represália.
Regra Dois - Os Árabes, Palestinos ou Libaneses não têm o direito de matar civil. Isso se chama "Terrorismo".
Regra Três -Israel tem o direito de matar civil. Isso se chama "Legitima Defesa".
Regra Quatro - Quando Israel mata civis em massa, as potências ocidentais pedem que seja mais comedida. Isso se chama "Reação da Comunidade Internacional".
Regra Cinco - Os Palestinos e os Libaneses não têm o direito de capturar soldados de Israel dentro de instalações militares com sentinelas e postos de combate. Isso se chama "Seqüestro de Pessoas Indefesas".
Regra Seis - Israel tem o direito de seqüestrar a qualquer hora e em qualquer lugar quantos Palestinos e Libaneses desejar. Atualmente, são mais de 10.000, dos quais 300 são crianças e 1000 são mulheres. Não é necessária qualquer prova de culpabilidade. Israel tem o direito de manter os seqüestrados presos indefinidamente, mesmo que sejam autoridades democraticamente eleitas pelos Palestinos. Isso se chama "Prisão de Terroristas".
Regra Sete - Quando se menciona a palavra "Hezbollah", é obrigatório a mesma frase conter a expressão "apoiado e financiado pela Síria e pelo Irã".
Regra Oito - Quando se menciona "Israel", é proibida qualquer menção à expressão "apoiada e financiada pelos Estados Unidos". Isso pode dar a impressão de que o conflito é desigual e que Israel não está em perigo existencial.
Regra Nove - Quando se referir a Israel, são proibidas as expressões "Territórios Ocupados", "Resoluções da ONU", "Violações de Direitos Humanos" ou "Convenção de Genebra".
Regra Dez - Tanto os Palestinos quanto os Libaneses são sempre "covardes" que se escondem entre a população civil, a qual "não os quer". Se eles dormem em suas casas com as sua famílias, a isso se dá o nome de "Covardia". Israel tem o direito de aniquilar com bombas e mísseis os bairros onde eles estão dormindo. Isso chama "Ações Cirúrgica de Alta Precisão".
Regra Onze - Os Israelenses falam melhor o Inglês, o Francês, o Espanhol e o Português que os Árabes. Por isso eles e os que os apóiam devem ser mais entrevistados e ter mais oportunidade do que os Árabes para explicar as presentes Regras de Redação (de 1 a 10) ao grande público. Isso se chama de "Neutralidade Jornalística".
Regra Doze - Todas as pessoas que não estão de acordo com as Regras de Redação acima expostas são "Terroristas Anti-Semitas de Alta Periculosidade".

5 comentários:

Ricardo Chapola (CHAPS) disse...

Interessantíssimas as regras. Aliás, o blog está muito bom, professor.

Estive vasculhando no site Central dos Blog e me interessei pelo seu. Parabéns. Caso lhe interesse passe no Da Prosa à Poesia.

http://daprosaapoesia.blogspot.com

Um grande abraço!

Gui disse...

O problema é que tudo não passa de um jogo de interesses, de política. Israel é um estado judeu, uma potência militar no Oriente Médio e um país que tem "filhos" espalhados pelo mundo a fora. Uma parcela dos judeus espalhdos por ai tem dinheiro e influência em países ocidentais (como EUA, Brasil e Argentina na América). Por eles estarem em posições sociais melhores que os palestinos, são beneficiados pelos governos mais ricos e poderosos.

Além disso, pesa o fato do governo americano financiar a parte bélica do estado judeu, transformando-se em seu eterno aliado político. Israel tem e deve se proteger dos foguetes do Hamas. Mas dessa vez eles exageraram. Eu acho uma estupidez lançar uma guerra que vitimará muitos civis.

Mas o Hamas tem sua culpa por ser radical e não reconhecer Israel, além de tentar matar civis israelenses. Tudo isso por uma questão religiosa, uma arma muito letal e perigosa, quando é usada por extremistas. Uma pena que a mentalidade de muitas pessoas não evoluiu. Infelizmente assistiremos a mais derramento de sangue nos próximos dias.

Luiz Antonio André disse...

Olá professor, muito interessante este texto. Há muito tempo ouço falar que os israelenses dominam a mídia internacional. Parece que é verdade.
Abraços

Edimar Suely disse...

Olá,

Passando para conhecer seu belo e interessante espaço e desejar um feliz ano novo e muita paz em seu lar.

SDmack!

Edimar Suely
jesusminharocha.blig.ig.com.br

Wander Veroni disse...

Olá! Por mais que este manifesto tenha o seu fundo de crítica, como jornalista não posso concordar que cabe regras para qualquer tipo de cobertura, pois cada fato é um fato e merece ser tratado de forma exclusiva - analisando os seus pontos atuais e tendo em vista a realidade histórica e política de cada nação. O jornalismo, por ser uma ciência dentro da Comunicação, possui a regra da sensibilidade e da ética. Se o profissional cumprir, já teremos cumprido o nosso papel social de prestação de serviço.

Abraço