I made this widget at MyFlashFetish.com.

sábado

Casa: um bom cenário para ensinar


As crianças devem se envolver com o orçamento familiar ou com os gastos com a casa? Sim e não. Até os 6 anos, o mais sensato é falar de sustentabilidade e do bom uso dos recursos, e não mencionar valores, mostrar extratos ou deixar que eles participem da conversa dos pais sobre o dinheiro do mês. A ideia não é gerar preocupação, mas uma visão consciente e responsável. E nessa abordagem, o dia a dia da casa é o cenário ideal para as ações educativas. “Os filhos podem aprender sobre economia de luz, gás, água, alimentos, cuidados com roupas e calçados. Percebem que cuidar bem das coisas evitará que elas precisem ser repostas, o que vai gerar um gasto desnecessário”, diz Marisa Gabbardo, psicoterapeuta de casal e família e consultora de um site sobre educação financeira.

O começo
Primeiro, é preciso contar para as crianças que o dinheiro não é apenas usado para comprar mercadorias, mas também para trocar por serviço. O que quer dizer que os pais, no final do mês, pagam pela água, pela luz e pelo gás que a família utilizou. E quanto mais se usa, mais cara será a conta desses serviços.

A proposta
Crianças adoram desafios e ficam orgulhosas quando recebem uma responsabilidade dos pais. Se você tem dois filhos, por exemplo, pode nomear um para evitar o desperdício de luz e outro para cuidar da água. Eles vão relembrar todos para usar só o necessário e se autodisciplinar para não fazer abusos. O mesmo vale para a comida. “Hábitos simples, como só colocar no prato o que vai comer, é educativo. Jogar comida fora é rasgar dinheiro, e isso deve ser falado abertamente”, sugere Marisa.

A recompensa
No final do mês, se realmente houve redução nas contas de luz e água, ou na compra de alimentos, as crianças devem ser as primeiras a serem avisadas e parabenizadas. Alguns pais, até, explicam quanto foi a economia em dinheiro e revertem esse valor para algo que as crianças querem, como comprar livros, fazer um passeio ou simplesmente guardar para uma meta familiar futura, como renovar a decoração do quarto das crianças.

As crianças devem se envolver com o orçamento familiar ou com os gastos com a casa? Sim e não. Até os 6 anos, o mais sensato é falar de sustentabilidade e do bom uso dos recursos, e não mencionar valores, mostrar extratos ou deixar que eles participem da conversa dos pais sobre o dinheiro do mês. A ideia não é gerar preocupação, mas uma visão consciente e responsável. E nessa abordagem, o dia a dia da casa é o cenário ideal para as ações educativas. “Os filhos podem aprender sobre economia de luz, gás, água, alimentos, cuidados com roupas e calçados. Percebem que cuidar bem das coisas evitará que elas precisem ser repostas, o que vai gerar um gasto desnecessário”, diz Marisa Gabbardo, psicoterapeuta de casal e família e consultora de um site sobre educação financeira.

O começo
Primeiro, é preciso contar para as crianças que o dinheiro não é apenas usado para comprar mercadorias, mas também para trocar por serviço. O que quer dizer que os pais, no final do mês, pagam pela água, pela luz e pelo gás que a família utilizou. E quanto mais se usa, mais cara será a conta desses serviços.

A proposta
Crianças adoram desafios e ficam orgulhosas quando recebem uma responsabilidade dos pais. Se você tem dois filhos, por exemplo, pode nomear um para evitar o desperdício de luz e outro para cuidar da água. Eles vão relembrar todos para usar só o necessário e se autodisciplinar para não fazer abusos. O mesmo vale para a comida. “Hábitos simples, como só colocar no prato o que vai comer, é educativo. Jogar comida fora é rasgar dinheiro, e isso deve ser falado abertamente”, sugere Marisa.

A recompensa
No final do mês, se realmente houve redução nas contas de luz e água, ou na compra de alimentos, as crianças devem ser as primeiras a serem avisadas e parabenizadas. Alguns pais, até, explicam quanto foi a economia em dinheiro e revertem esse valor para algo que as crianças querem, como comprar livros, fazer um passeio ou simplesmente guardar para uma meta familiar futura, como renovar a decoração do quarto das crianças.


Fonte: Revista Crescer

Um comentário:

Kamilla Keiti disse...

É muito importante que as crianças cresçam conhecendo, o valor das coisas e aprendendo a dar valor, e em casa, com o incentivo da familia é um ótimo lugar para aprender.
Um abç